TESTEMUNHOS
  • 30/01/2014
  • "Nunca Desista" - Moacir Evilácio Costa de Olivei

     

     

              Olá irmãos, meu nome é Moacir Evilácio Costa de Oliveira, sou casado com a Simone Sotelo de Oliveira, fazemos parte da família CEIFA desde 2005. Temos dois filhos a Samara de 3 anos e o Nathan de 1 ano. Hoje vou contar para vocês o testemunho da minha Samarinha.

             Estávamos em família em uma sorveteria da cidade, quando minha tia deu um pouco de sorvete para Samara, que  vomitou instantaneamente, neste momento começava um longo período de observação e cuidados com a alimentação da nossa princesa. Com esse susto a levamos até o Hospital, porém nada foi diagnosticado. Um tempo depois a Samara começou com uma febre que não baixava, levamos ao médico, fizemos exame de sangue e nada foi constatado, isso tudo no período da manhã. No período da tarde a febre permanecia, mesmo com medicação e banhos, então resolvemos no inicio da noite, ir até um amigo nosso farmacêutico mostrar o exame de sangue para ver se realmente não tinha nada diagnosticado, e ele nos confirmou o que o médico já havia dito, que algum processo inflamatório estava se iniciando, mas ainda não dava para diagnosticar o que era. Esse amigo nos deu uma outra medicação para febre.

             Cheguei em casa e a Simone já de imediato deu a medicação para Samara, ela estava no colo da minha sogra, mas infelizmente foi um pouco tarde. A Samara tomou o remédio e em seguida teve uma convulsão, nos deixando desesperados, minha esposa achava que estávamos perdendo nossa princesa, nosso grande presente de DEUS, corremos com ela para o Hospital, mas graças a Deus, quando chegamos no hospital devido a medicação dada, a convulsão já começou a parar. Ela foi examinada, e mais uma vez nada foi diagnosticado, o médico nos tranquilizou, porque apesar da convulsão ela não ficou com nenhum sequela. Com isso começava a nossa luta, levamos ela em um médico muito conhecido da Cidade que haviam nos indicado, porque ninguém descobria o que ela tinha, e lá recebemos um notícia que mudaria a nossa história, a nossa princesinha tão pequena e tão frágil, só poderia ingerir alimentos a base de arroz e milho, fora isso somente o leite materno. Ela tinha nessa fase 8 meses. Foi muito difícil para nós, mas dentre os momentos mais dolorosos, foi um convite de que recebemos para uma festa infantil, eu estaria viajando e a Simone teria que ir sozinha com a Samara. Chegando na festa só tinha o que a Samara não podia comer, Ela pedia salgadinho, doce bolo e nada a Simone podia dar. Com isso minha esposa esperou cantar o parabéns e foi embora, saindo dali colocou a Samara na cadeirinha do carro. Do local da festa até a nossa casa ela foi chorando, de ver que a nossa princesinha, não poderia comer nada daquilo que tinha ali, e querendo se colocar no lugar dela, porque era muito difícil pra nós, ver ela pedindo as coisas e a gente ter e não poder dar.

             Um tempo depois quando a Samara estava com um ano e quatro meses, descobrimos que o SENHOR havia nos abençoado com mais um presente, a Simone estava grávida do Nathan, com isso tivemos que tirar a Samara do peito, deixando assim a alimentação dela só a base de arroz e milho. Resolvemos então procurar um alergista para fazer uns exames mais detalhados, e com isso descobrimos que para honra e glória do SENHOR, só estava privada da lactose e clara de ovo, com isso ficou liberado um alimento importantíssimo pra nós a SOJA, nos abria grandes variedades de alimentos para nossa pequena.          Como tínhamos tirado ela do peito e a soja havia sido liberada, tentamos introduzir um leite próprio para quem tem intolerância a lactose o Aptamil. Minha irmã fez a primeira mamadeira e a Simone foi para sala, para fazermos o teste e ver se a Samara tomava, porém mais um susto, a Samara teve uma reação anafilática, fomos para o Hospital, ela foi medicada e graças a Deus ficou bem, porém mais uma tentativa frustrante, porque ai descobrimos que era ainda mais sério, porque o organismo dela reconhecia micro partículas da lactose, então não poderíamos dar nada que tivesse lactose.

             Passado mais esse susto, a minha esposa começou a dar pão, bolo simples biscoitos que continham em sua composição o leite e a clara de ovo, então ficamos ainda mais esperançosas, porque achávamos que agora com isso ela poderia comer de tudo. Quando ela fez dois anos chegou o dia de repetirmos o exame, e infelizmente continuava tudo igual, então questionamos o médico como ela poderia ingerir alimentos que continham leite e clara de ovo e não dar nada, sendo ela tão intolerante, e ele não sabia nos explicar, mas nós sabíamos que já era o mover de DEUS na vida da nossa pequena. No dia desse teste o médico passou para Simone que como o quadro dela não havia evoluído, que só repetiríamos o teste no final do ano, ou seja, onze meses depois. E nessa espera nasceu o Nathan. Passado mais um tempo chegou mais um momento difícil pra nós, o momento de introduzir papinha dentre vários outros alimentos na vida do Nathan, incluindo produtos com lactose. Um dia quando a Simone foi dar o primeiro Danoninho do Nathan na escada da cozinha, a Samara falou pra ela: “­­Mamãe, eu quero Danoninho!” A Simone segurou o choro e sentou ela em seu colo e disse: “Filha a mamãe gostaria muito de te dar, mas você não pode meu amor, porque tem leite, e leite você não pode, porque faz dodói na sua barriga.” Mas a nossa pequena cheia de fé, insistiu: “Não mamãe, você pode me dar sim, porque JESUS já me curou!”.     A Simone então a abraçou e chorou, e sentiu Deus falando que podia confiar no que a nossa pequena estava falando. Mas como já tínhamos passado por muitos sustos, minha esposa pegou o Polaramine, que era a medicação que usávamos quando dava reação nela, e colocou ao lado e orou da seguinte forma: “Pai me perdoa a pouca fé, vou fazer o que ela está me pedindo e vou crer na sua cura, mas como sou de carne, vou deixar ao meu lado o Polaramine para se der uma possível crise, ter como socorrê-la”! Mas para nossa alegria, ela comeu e não deu reação, minha esposa me ligou chorando para contar o que havia acontecido, e a partir dali, a Samara começou a confessar sua cura, queria comer de tudo dizendo que estava curada.

             No início de novembro de 2013, a Simone ligou para marcar o teste, e explicou para secretária que a Samara estava tomando iogurtes normais e não estava dando reação, para que ela repassasse isso ao médico, uma vez que ela havia dito na última consulta que se a intolerância dela melhorasse um pouco, ele faria um teste no consultório com o leite in natura, para ver como o organismo dela reagiria, porém me proibiu de fazer isso em casa, porque ele só faria ali, por estar preparado para qualquer resposta positiva ou negativa que o organismo dela apresentasse.

    No final do dia o telefone tocou, a Simone foi atender era a secretária do médico, falando que ele não havia entendido muito bem sobre ela estar tomando iogurte, então pediu para que a Simone aguardasse que ela passaria a ligação para o mesmo. Falando com o médico a Simone explicou tudo que já havia falado para a secretária, porém antes dela terminar de explicar o médico falou: “Mãe, sua filha esta curada, ela não precisa mais de teste algum!”. Minha esposa ficou pálida, tremendo e questionando o médico: “Não doutor, mas não seria bom a gente fazer o exame pra ter certeza”, e ele mais uma vez insistiu, dizendo que não havia mais necessidade. Mas ainda não acreditando no que estava ouvindo, ela insistiu com o médico, que deveria fazer porque tinha também a clara de ovo, então o médico falou: “Você já deu ovo pra ela?” e minha esposa respondeu que sim, porém cozido, então o médico falou: “Então pronto, ela também esta curada da intolerância a clara de ovo!”.

     A Simone desligou o telefone e foi até aonde eu estava pálida, tremendo e chorando, sem conseguir falar. Perguntei a ela o que tinha acontecido quem era no telefone, porque ela estava daquele jeito, e ela me disse: ”Amor, a Samara está curada!”. Olhou para Samara que estava ao meu lado e falou: “Filha, você quer leite, meu amor, agora você pode tomar?” e ela respondeu que sim, eu confesso que fiquei com medo, achei cedo, ainda não tinha conseguido absorver a notícia. Então a Simone correu para cozinha fazer um copo de leite para Samara, ela tomou só um pouco e não gostou, e para honra e glória do SENHOR, nada aconteceu e descobrimos que de fato nossa pequena estava curada.

    Durante muito tempo, oramos, ofertamos, confessamos e profetizamos a cura dela, sabíamos que não era no nosso tempo, e sim no tempo do SENHOR. E o SENHOR nos deu Vitória, mas nunca desistimos de lutar pela nossa pequena com a maior arma que temos, a Fé em JESUS.

  • BUSCAR
  •  OK
    Receber em sua caixa de
    e-mail nosso informativo?
    Preencha o campo abaixo para receber:
    ok